Colunas
Valter Ferreira Mariano
 
Colunas anteriores
28/11/2006
23/11/2006
16/11/2006
10/11/2006
26/10/2006
19/10/2006
6/10/2006
21/9/2006
14/9/2006
7/9/2006
O ANTÍDOTO PARA IMPRENSA FUTEBOLÍSTICA
 
O direito à informação, consagrado na Constituição Federal, requer dos veículos de comunicação senso ético, responsável e isento, onde deve prevalecer um bom jornalismo.

A imprensa esportiva, principalmente a que tem o futebol como seu carro chefe, tem grande influência na formação de opinião dos ouvintes e telespectadores, que são torcedores loucos pelo time do coração, sendo que esta não deve ser confundida com informação. Os programas esportivos exibidos nos canais de televisão bem como nas rádios, têm o direito legítimo de expor suas preferências, porém, sem contaminar a mente do torcedor, deformando a realidade de um resultado de revés, atribuindo o mesmo a um erro de arbitragem.

As matérias de cunho opininativo deveria ser feita em forma de editoriais ou nas manifestações dos torcedores, quando entrevistados.

Em época de campeonato, exacerbar de forma negativa as atuações dos árbitros (regra 05) e dos seus assistentes (regra 06) a partir de repetição de imagem obtidas pelos olhos das câmeras de televisão espalhadas por vários ângulos ou na utilização de recursos eletrônicos do tipo tira-tema, é um maneira de direcionar a opinião do torcedor, levando ao perigoso caminho da desconfiança, onde a arbitragem manipula resultado, no sentido de beneficiar este ou aquele clube.

Neste caminho, narrador, comentarista e repórter, têm papel decisivo. Cabe à estes determinar de que forma o erro de arbitragem deve ser visto e abordado. A partir da convicção destas pessoas e conhecimento da Regra do Jogo (futebol), deve informar ao público a verdadeira face do erro, sem o interesse de transforma-lo em mártir para obter IBOPE.

O antídoto para esta situação é a realização de cursos de arbitragem com os membros da imprensa futebolística. Transformando-os de leigos em embaixadores da Regra do Jogo. Onde com o novo conhecimento adquirido poderão passar ao seu público (torcedores) a verdadeira imagem dos homens de preto. Passando a responsabilidade do revés aos jogadores que não se empenharam durante a partida, aos treinadores que escalaram seus times de forma equivocada ou fez substituições que não deveriam fazer e aos cartolas que fizeram contratações erradas ou simplesmente sumiram com as finanças do clube.

Show de pergunta: Um jogador se encontra em posição de impedimento (regra 11) e um árbitro assistente (regra 06) levanta sua bandeirinha. O árbitro (regra 05) não vê o sinal, e um defensor, infringindo as Regras de Jogo, evita a oportunidade manifesta de gol de seu adversário. O árbitro interrompe a pártida e então vê o sinal do árbitro assistente, como deverá proceder o árbitro?

Resposta na próxima coluna. Obs.: Os leitores poderão enviar suas respostas pelo email: colunadearbitragem@gmail.com

Show de pergunta anterior: Deverá o árbitro punir a posição de impedimento (regra 11) de um jogador que sai do campo de jogo (regra 01) para mostrar ao árbitro ue não participa do jogo ativo?

Show de resposta anterior: Não. Estar em posição de impedimento não constitui infração em si, por isso o jogador não precisa sair do campo de jogo.
Não obstante, se o árbitro considera que o jogador abandona o campo de jogo por razões táticas e consegue, injustamente, ganhar uma vantagem de sua posição ao entrar de novo no campo de jogo, deverá adverti-lo (cartão amarelo) por conduta antidesportiva.


Show de abraços: Aos amigos Ednílson Corona, Paulo César de Oliveira, Valter José dos Reis, Márcio Campos Sales, Dionísio Roberto Domingos, Sálvio Spinola Fagundes Filho, Abel Barrozo Sobrinho, Roberto Perassi, Arthur Alves Júnior, Vicente Romano Neto, Márcio Verri Brandão e Wilson Seneme, todos "imortais" da Academia Paulista de Árbitros de Futebol Charles Miller, ao presidente do SAFESP, Sérgio Corrêa da Silva, Edinho Campos da assessoria de imprensa da Federação Paulista de Futebol, ao amigo e árbitro Clodoaldo Cardoso de Oliveira e a todos que fazem do CONTEÚDO ESPORTIVO ser um grande sucesso na web. E para finalizar, um grande show de abraços para minha amada esposa Rita, até a próxima...



 

 
Valter Ferreira Mariano, 38 anos, residente na cidade de Campinas/SP. Árbitro Assistente da Federação Paulista de Futebol. Email: colunadearbitragem@gmail.com

Formado pela Escola de Arbitragem o jornalista Flávio Iazzetti da Federação Paulista de Futebol em 1996/1997 e pela Escola Arbitragem Marco Antônio Ribeiro, entidade ligada a Associação Campineira dos Árbitros de Futebol - ACAF, em 1996.

Colunista de arbitragem, onde escreve sobre a dinâmica de arbitrar uma partida, seus conceitos e ética, suas leis e principalmente do espírito deste esporte chamado futebol.
  >> Voltar <<