Colunas
Valter Ferreira Mariano
 
Colunas anteriores
1/12/2006
28/11/2006
23/11/2006
16/11/2006
10/11/2006
26/10/2006
19/10/2006
6/10/2006
21/9/2006
14/9/2006
ÁRBITRO GORDO, MOTIVO DE GRACEJO.
 
Dentro do universo da arbitragem, tem um grupo de árbitros que atuam no futebol não profissional, o chamado futebol de várzea. São árbitros amadores, trivial com o apito, alguns sem um curso básico de arbitragem, a maioria apresentam um condicionamento físico abaixo do necessário para exercer esta nobre função.

Para termos uma boa arbitragem, o condicionamento físico é essencial, não importa o grau de importância da partida, do clássico Corinthians e Palmeiras ao simples jogo da várzea, uma marcação de falta estando longe do lance provoca questionamento, mesmo estando correta, porém, a mesma feita próxima do lance, inibirá o questionamento, mesmo num possível erro do árbitro. E isso faz a diferença.

Para lograr de um bom condicionamento físico, segundo os especialistas, é necessário no mínimo, uma hora de exercícios físicos, pelo menos três vezes por semana. Observando que a intensidade dos exercícios deve ser individualizada, levando em conta a idade e a obesidade. Todo este processo de atividade física deve ter o aval médico.

Um árbitro obeso ou seja, muito acima do seu peso ideal é motivo de gracejo por parte dos torcedores - Sua baleia, sai do campo e volta pro mar! - Passa um certo ar de desconfiança da sua capacidade de arbitrar a partida. Por se apresentar sempre longe do lance, suas decisões serão sempre protestadas e transformando a partida em um balcão de reclamações.

O "X" da questão é sempre a falta de tempo. Pergunto - Quem tem tempo livre nos dias de hoje? O tempo é nós que o programamos. Deixe a cervejinha com os amigos após o trabalho de lado, coloque o tênis, e mão na obra, ou melhor, pé na pista. Lembrando, sempre com o aval médico.


Show de pergunta:
Pode um capitão expulsar um jogador de sua equipe por conduta incorreta grave?

Resposta na próxima coluna. Obs.: Os leitores poderão enviar suas respostas pelo email: colunadearbitragem@gmail.com

Show de pergunta anterior:
Enquanto a bola está em jogo, dois jogadores da mesma equipe cometem entre eles, conduta antideportiva ou violenta dentro do campo de jogo. Como deverá proceder o árbitro?

Show de resposta anterior:
O árbitro deverá adverti-los ou expulsa-los do campo e reiniciar a partida com um tiro livre indireto em favor da equipe adversária, a ser executado no local onde se cometeu a infração*

* circunstâncias especiais da Regra 08: Um tiro livre indireto concedido à equipe atacante na área de meta (pequena área) adversária será executado desde a linha dá área de meta paralela à linha de fundo, no ponto mais próximo do local da infração.

Show de 2007:
Aos meus familiares, Alberto, Angela, Débora e Carolina, Marçal, Marlene, Daniela, Mariana e Rodrigo, Vera e seu mariado Marcos, Diva, Douglas, Camila e Ariane, os meus filhos Felipe, Paulinho, Milena e Juliana, aos amigos do Realmatismo e do Clube Concórdia, Rafael, Rodrigo e Edmar da RCF Eventos Esportivos, ao Dr. Wallace Nogueira Rocha, presidente da Liga Campineira de Futebol, Ricardo de Paula Almeida, Fernando Martins, João Antonio Fernandes Neto e Cidinho Mariano, diretores da ACAF (Associação Campineira de Árbitros de Futebol), ao Sérgio Correia e demais membros do SAFESP (Sindicato dos árbitros de Futebol do Estado de São Paulo), aos árbitros federados e não federados, aos amigos Casimiro Martins, Rio Tinto/Portugal, Joni Vieira, Colunista Oliberal - Belém/PA, e a todos que fazem do CONTEÚDO ESPORTIVO ser um grande sucesso. E para finalizar, um grande show de 2007 para minha amada esposa Rita, até a próxima...

 

 
Valter Ferreira Mariano, 38 anos, residente na cidade de Campinas/SP. Árbitro Assistente da Federação Paulista de Futebol. Email: colunadearbitragem@gmail.com

Formado pela Escola de Arbitragem o jornalista Flávio Iazzetti da Federação Paulista de Futebol em 1996/1997 e pela Escola Arbitragem Marco Antônio Ribeiro, entidade ligada a Associação Campineira dos Árbitros de Futebol - ACAF, em 1996.

Colunista de arbitragem, onde escreve sobre a dinâmica de arbitrar uma partida, seus conceitos e ética, suas leis e principalmente do espírito deste esporte chamado futebol.
  >> Voltar <<