Colunas
Luciano Garrido
 
Colunas anteriores
Sofrimento Rubro-negro

Nesta coluna de estréia vou direcionar minhas críticas para o Flamengo, clube pelo qual torço e que amarga uma vergonhosa lanterna no Campeonato Brasileiro. Por causa disso, sou obrigado a ouvir gracinhas do tipo: Vamos dar uma duracell para o Mengão que é para manter a luz da lanterna bem acesa. Ou piadinhas como: Quer uma lanterna para iluminar o caminho do Flamengo para a segunda divisão?

Sempre que me perguntam sobre a mudança de técnico, respondo a mesma coisa: O problema do Flamengo não está no comando, está no campo. O time não tem jogadores à altura da tradição desta centenária instituição. Mas, meu amigo Carlos Eduardo Éboli, jornalista da Rádio CBN, lembrou um fato, no mínimo, curioso. Como pode um técnico mudar tanto um time e seu esquema em apenas três dias de treinamentos? Com as mudanças, PC Gusmão conseguiu apagar de uma só vez os dois melhores jogadores do time. Felipe e Ibson não viram a cor da bola no primeiro tempo contra o Palmeiras.

E o Henrique, hein? O que é aquilo? Enquanto o Henrique fazia tabelas com os atacantes adversários, o Jean auxiliava os zagueiros rivais. Cansei dos dois há muito tempo, mas me deixa admirado que o Júnior, um cara que entende muito de futebol, ainda não tenha se cansado. No meu time de casados contra solteiros os dois não têm vaga nem como roupeiro. Aliás, a maioria deste time do Flamengo não tem vaga no campeonato de porteiros do Aterro. Se jogasse lá cometeria o mesmo vexame do Brasileirão.

E o Adriano? Cada vez que o vejo jogando na seleção ou no Inter de Milão e resolvendo o jogo, como neste fim de semana pelo clube italiano, morro de inveja e de remorso. Num passado remoto, ele e Reinaldo, que brilhou no São Paulo e agora está França, eram craques e eu não sabia. O pior é que eu cresci vendo um time vencedor com Zico & cia. e agora tenho que me contentar com Dimba, "O Salvador da Pátria". Enquanto isso, Márcio Braga vai passear na terra do Mickey para esquecer o vice para o Santo André.

PS.: Na semana que vem prometo falar de futebol.

 

 
  >> Voltar <<